terça-feira, 19 de junho de 2007

Borat

Eu sei, eu sei, é estranho, mas só agora assiti ao filme. E, eu sei, é mais estranho ainda, mas gostei bastante dele. Não sei o que é. Eu, sempre elitista com as comédias, gostei desse Borat e seu escracho anti-americano. Não sei, acho que é porque é um filme inteligente, feito por um comediante inteligente que, tal qual Andy Kaufman, engana e faz vítimas despudoradamente. E é justamente neste ponto que está a graça: travestir-se do personagem e fazê-lo parecer real. As únicas verdades são exatamente as coisas que nunca deveriam aparecer: a incapacidade do intelecto mediano do norte-americano em compreender o mundo tal qual ele é e está e, claro, a incapacidade de sequer perceber a mentira naquela figura tão estranha e (falsamente) ignorante vinda de um país irreal para os padrões da América. Altamente recomendável.

4 comentários:

Heraclito disse...

Eu também gostei bastante do BORAT!

jamagonça disse...

Pois é, Heráclito, gostei porque o filme é nonsense, sem ser nonsense, entendeu?????
Grande abraço.

Heraclito disse...

Entendi! A unica coisa que me deixou com um pé atras eh nao saber o que eh real, e o que eh combinado! Por exemplo: a cena da Pamela Anderson. O que voce acha?

jamagonça disse...

olha, não sei não, deve ser combinada, mas parece real, né? Ela correndo no meio do estacionamento foi hilário. Gostei muito da cena do jantar, quando o Borat pede para ir ao banheiro e volta com o saquinho de cocô!!! essa cena acho que não foi combinada não, porque a cara das pessoas foi demais!!!!!!
grande abraço.