terça-feira, 2 de outubro de 2007

Duas mulhers, dois filmes...

É incrivel como o cinema comandado por mulheres vem se desenvolvendo e ganhando destaque. Filmes e mais filmes dirigidos por "nós" têm aparecido. A grande maioria, com clara qualidade e real intenção de fazer o melhor. Pois é: são as mulheres invadindo a sétima arte, não como divas, mas como "comandantes" de novas idéias.
Assisti a dois filmes latino-americanos dirigidos por duas mulheres latinas.
O primeiro, "Madeinusa", é peruano e foi dirigido por Claudia Llosa. O segundo, argentino, de nome "Geminis", foi comandado por Albertina Carri.
Ambos filmes profundos. Ambos filmes difíceis.
Em Madeinusa, um jovem geógrafo acaba ficando isolado em um pequeno vilarejo no interior do Peru, às vésperas das festividades da Páscoa. Lá conhece Madeinusa, adolescente sensível, filha da terra e do prefeito da cidade, seu algoz, de quem sofre constantes assédios sexuais e para quem deve entregar sua virgindade durande as festividades da Páscoa, que é quando Deus está morto e, portanto, o pecado não existe. Tradição do pequeno vilarejo.
Em Geminis, conta-se a história de uma família argentina classe média alta (ainda existe isso lá?) cujos filhos adolescentes vivem um tórrido caso de amor. A "tradição" aqui é a do incesto.
Quando comento aqui os filmes que assisto, não gosto de contar a história toda. Penso que cada um precisa caminhar um caminho próprio, e assistir a um filme é fazer uma viagem solitária. A interpretação a respeito da experiência cabe a cada um que a viveu.
Assim, não julgo necessário contar as histórias aqui, mas sim as experiências vividas com elas. E as experiências são minhas. E cabe a cada um vivê-las.
Pois bem. Voltemos aos filmes.
O primeiro foi arrebatador para mim. Poder conhecer uma parte do Peru, com suas tradições e violências próprias foi uma grande experiência.
No segundo, a experiência maior ficou por conta da cena em que a mãe descobre a relação dos filhos. Fantástica. Incrível. Inesquecível.
Assim, caros e poucos amigos leitores, assistam a esses dois filmes de duas mulheres incríveis e vivam suas próprias experiências. Experiências que serão especiais, garanto, uma vez que são duas produções latinas dirigidas por duas mulheres. Isso só já seria motivo para chamar nossa atenção. Mas os dois filmes escondem coisas além dessa simplória análise feita por esta insignificante que vos fala!
Grande abraço a todos.

3 comentários:

Marcus Vinícius disse...

O cinema argentino é um dos melhores da atualidade, senão for o melhor, na minha opinião. Sobre sse peruano eu já tinha lido algo, só não lembro aonde, mas bastante elogios também.

Beijos e até mais!

Osvaldo disse...

Belo post!

jamagonça disse...

valeu, osvaldo. já assistiu a esses filmes. se não, faça isso já, pois vale muito a pena!